voltar à homepage do site
separadorseparadorseparadorseparadorseparador
 

Início  |  Fimseparador< anterior - Pag.12 / 22 - próxima >separadorir para a pag. 


  • Década de 60
  • No Reino do ''Directo''
  • pag12

Também Maria de Lurdes Modesto e Sousa Veloso aparecem no ecrã antes da viragem para os anos 60. Para cada um a sua especialidade, ficando o público agradado com o conhecimento e com as receitas para o tacho e para a terra. Maria de Lurdes Modesto chegou à RTP (primeiro programa a 15 de Maio de 1958) vinda directamente do professorado de trabalhos manuais e culinária. Quer isto dizer que já tinha alguma prática de falar para outros, porém no ambiente restrito das salas de aula. Difícil era então adiantar que tivesse um encontro marcado com o sucesso, mas foi o que aconteceu e se manteve por 12 anos, até 1970, quando, a conselho médico, se viu obrigada a deixar a TV. Quando apareceu pela primeira vez nos ecrãs, no dia seguinte, o crítico Mário Castrim, por não lhe ter fixado o nome, referia “uma rapariga de olhos esbugalhados”, que tinha estado a fazer um prato de alcachofras, comentando que, finalmente, “aparecia alguém que mostrava como se devia falar em Televisão.”19 E é ela que recorda: “O interesse na altura era extraordinário. A Televisão tinha acabado de aparecer e eu recebia caixotes de correspondência, com elogios ou críticas de muitas pessoas. Mandavam-me também receitas e sugestões. Por outro lado, eu tinha noção da responsabilidade. Tinha medo de aparecer na Televisão. Ficava sempre num enormíssimo estado de ‘stress’.”20 Quem não partilhava dessas angústias era o pessoal técnico dos estúdios que estava sempre à espera que a Lurdes acabasse os “pitéus”(e o programa) para se irem a eles. Só que, algumas vezes, o cozinhado apenas se completava aos olhos dos espectadores e a massa encruada ou o arroz mal cozido desmotivava os audazes... Maria de Lurdes Modesto lembra certa vez em que Fialho Gouveia, “um dos que mais especialmente apreciava os meus cozinhados”, se rendeu a uma lebre à Bulhão Pato “que acabava de ser cozinhada e que cheirava que era uma delícia. Como, no final do programa, quem conseguisse chegar mais depressa ao prato é que o levava, o Zé Fialho foi de uma rapidez incrível mas, por pouco, não deixou a mão ser apanhada pela câmara.” Resta dizer que a lebre foi convenientemente ceada, no restaurante do estúdio, minutos depois. Mas Maria de Lurdes Modesto tem em carteira dezenas de histórias para contar sobre a sua passagem pela RTP, “desde a época em que o Director de Programas, dr. Domingos de Mascarenhas, ia de eléctrico para o estúdio e subia a pé a rampa de acesso às instalações do Lumiar. Era um país completamente diferente daquele em que hoje vivemos. Os meus programas reflectiam essa realidade.” Uma realidade que, por vezes, estava por detrás de uma carta, aparentemente inocente. “A carta estava muito bem escrita, num português impecável e, como sucedia muitas vezes, comecei e lê-la.” – recorda Lurdes Modesto, que prossegue: “O telespectador dizia que na sua família, pelo menos desde o seu avô, passando pelo seu pai, havia uma tradição do bom uso do espeto. Ele próprio...Comecei a ouvir gritos da régie: ’Calem-me essa mulher. Ela é louca. Ainda não se apercebeu do que está a ler’.”21 Durante 12 anos, Maria de Lurdes Modesto foi uma das caras mais simpáticas da RTP, com uma imagem que não se desgastou, embora saibamos que ela pensa o contrário. Por um programa de 20 minutos, ganhava 400$00. Isto em 1958 quando, a exemplo de Maria Helena e Fialho Gouveia, se tornou, com o funcionário da área dos Programas, Carlos Assis de Brito, alvo privilegiado de mexericos casamenteiros, aliás, bem fundamentados, como ficou provado pelo enlace, que não tardou.

menu de artigos

Maria de Lurdes Modesto

Maria de Lurdes Modesto, sempre às voltas com os "Petiscos"


19 O Jornal - Suplemento “Alimentação”, 27.12.1985.

20 Tempo Livre - revista mensal editada pelo INATEL, Abril de 1996.

21 Público, 25.8.2002, série “Histórias que fizeram a história da Televisão – IV”, texto de David Lopes Ramos.

diminuir letra aumentar letra Imprimir Enviar

< anterior | próxima >

Footer