voltar à homepage do site
separadorseparadorseparadorseparadorseparador
 

Início  |  Fimseparador< anterior - Pag.15 / 26 - próxima >separadorir para a pag. 


  • Década de 60
  • Do 2º Programa à Lua e ao "Zip-Zip"
  • pag15

Pela programação juvenil (a série “Pippi” tornou-se um caso sério de popularidade) como pela infantil passava, então, uma nova aragem. Com coordenação de Maria do Sameiro Souto e muito interesse do realizador Alfredo Tropa no desenvolvimento das ideias propostas – e nas quais também interveio a educadora de infânciaMaria de Fátima Leal –, conseguiram-se alguns programas, bons principalmente pela componente pedagógica que se entendeu fazer prevalecer.

Era, com efeito, com a programação que Ramiro Valadão fazia questão de mais se preocupar, ao ponto de afirmar que “se tem procurado fazer, dentro das possibilidades humanas, técnicas e financeiras da RTP, um esforço no sentido de se conseguir uma melhor contextura, já que os programas têm de ser elaborados com a preocupação de formar, informar e entreter quantos os virem. A filosofia que os informa deverá ainda ter em conta o elevado número de espectadores e, necessariamente, a enorme gama cultural que caracteriza essa massa.”31 São palavras que só confirmam o desejo de renovar, que ia sendo prosseguido com alguma segurança e resultados à vista. À abertura, de que, em diálogo de bastidores, se falava demais e de modo pouco explícito, será talvez preferível chamar viragem – porque, esta sim, existiu realmente na programação da RTP.

E é ver que, a partir de Outubro, se introduziram na programação rubricas como “Grande Plano”, “Mesa Redonda” e “A Entrevista do Mês”,32 para abordagem de problemas de grande actualidade; como a emissão passou a abrir, ao sábado (15 h.) com um completo magazine dedicado a assuntos de interesse para a mulher; como, ao domingo, a emissão começava às 12 h. para ir, em contínuo, até à edição de “Marcha do Mundo” (título que substituíra, desde há tempo, o “Últimas Notícias”). Por outro lado, pensava-se o 2º Programa mais a sério. Em 1969 o tempo total de emissão fora de 1 012 h., à base de repetições do 1º, como já vimos. Mas a verdade é que “o 2º Programa se foi consolidando e sendo a sua cobertura ainda circunscrita à área de Lisboa, só lentamente e em medida limitada se tem procurado dotá-lo com programação própria. A experiência adquirida permitirá, contudo, ampliar progressivamente a sua independência a par e passo com a extensão das instalações técnicas de emissão a outras zonas do País.”33 Foi o que se pretendeu fazer, mas ainda sem resultados muito concretos em 1970, ano em que se registou mesmo uma baixa no tempo da emissão: 888 h. 30 m. Mas para que alguma coisa fosse diferente, alargou-se a área de cobertura, graças à entrada ao serviço, finalmente, dos emissores do Porto e de Montejunto.

menu de artigos

Inger Nilsson, 15 anos, intérprete da série "Pipi das Meias Altas" no programa infantil da RTP


31 Entrevista conduzida por Fernando Teixeira, Diário Popular, 12.9.1969.

32 O primeiro entrevistado foi o poeta António Gedeão. O entrevistador, um crítico de Televisão, a quem O.N. (outro crítico de Televisão) assim se refere na revista Vida Mundial, 12.9.1969: “Mário Dias Ramos, provavelmente por ser a sua primeira experiência televisiva, não conseguiu criar o ambiente necessário à intimidade e Ver maisà comunicabilidade que António Gedeão desejava. Mário Dias Ramos tentou, de facto, não se evidenciar mas pecou por excessivo confusionismo nas perguntas (não esquecer o público que é necessário ‘prender’...)” Voltar a fechar

33 Relatório e Contas do Conselho de Administração – ano de 1969.

diminuir letra aumentar letra Imprimir Enviar

< anterior | próxima >

Footer